Perda5 defletor

A poesia te hesita
por não te dizer nada.
Quando você, vendada,
corre para uma muralha
de gentes sem saber que distância correr
tanto ocorre-te a mesma pausa,
a falta dos corpos que não te retém.
Em texto,
a falta das palavras
comunicadas te hesitam quanto.
Da muralha de gentes,
não panfletos jornais ou
pedras portuguesas,
você ouve Vem, lhe abraçamos, confia.
Na poesia,
eu escrevo Você inteira.
Anúncios

alga viva

uma alga viva:
alguém mete as mãos
e ela foge

ou ela gruda 
e sentem
nojo

como alga viva, mãe?
primeiro desista da palavra
força

logo depois da resistência.

um corpo resistente
é destruído fácil
por quebradiço.

logo depois exercita o drible:
algo esbarra, se desvia

ou abre buraco
para que passe

seja peixe porém
não morda
isca.

manual iniciante: para tocar um corpo-buceta

um corpo-buceta é um múltiplo corpo: pode começar no braço, perna, olho. antes de qualquer esforço é necessário que se pense a disciplina do entendimento como pouco útil, sendo seu começo mais que ambíguo. a imagem árvore que a terra inicia no começo do fim da terra. essa luz guarda a sombra que guarda a atemporalidade por debaixo, como a maior araucária do mundo no sul do Brasil. além de seu fardo qual nomeação Pinheiro Grosso, seu início vário por debaixo percorre o espaço de um corpo-buceta: pode começar no braço, perna, olho. um corpo-olho caso não seja um corpo vário também não é útil pelo fato da visão codificada esbarrar na terra plana (o início do começo da terra).

está na memória navegada a era madeireira, a servitude funcional tanto como os eletrodos te confirmam. um corpo-buceta são 8 mil raízes sensíveis e isto costuma ocorrer que este corpo, por debaixo, reconhece a pressa e o objetivo extrativista. neste caso a tensão se instala para preservar o chão à vista parca e a umidez não ocorre. umidez é rega, reza – a que se proponham bons semeios, caso não, devastado. um mal-trato a um corpo-buceta é um mal-feito a 8 mil variações de corpo e isto multiplicado não se conta. está na memória navegada a era.

para tocar um corpo-buceta deve-se ter mãos-sem-dedos, que à mesma maneira do corpo-olho é medidora das distâncias pela gravidade intencionada. este tipo são as mãos que sabem a reza fazendo córrego seu próprio tempo – mãos-sem-dedos não cultivam bênção, confissões e tempos pontuais. são substituídas as oportunidades de apertar botões para alargar lagos: este tipo desliza, dos matos aos fartos rios. para tocar um corpo-buceta que pode começar no braço, perna, olho, é preciso ser um corpo que deslize enquanto braço-perna-olho – com o toque de acordar as dormideiras que fisgaram o objetivo. pensa-se o toque e o torna toque-olho-buceta.

esse corpo é um quase-útero e isso deve ser lembrado quanto à intenção: quando um útero é do tamanho de uma porta um orgasmo são 8 mil possíveis – batidas, arrancadas, abertas, atualizadas, vistas. numa entrada atualizada com a língua necessita ser revista cada linguagem de idioma codificado. faz-se então a aragem, a atualização agrária no corpo-buceta. um corpo-língua funciona em conversa de modo semelhante ao mãos-sem-dedos. então em algum momento vário ocorrerá um afinamento e a ele deve-se dar valor deixando que haja o tempo que se quiser haver – e depois que não, outra aragem, outro afinamento, tempo, outra aragem, outro afinamento, tempo (a umidez é rega).

um corpo-buceta não tem lado e um corpo que desliza-vário é capaz de conhecê-lo virado, de costas, de pé, ao contrário. isto também é um pedaço da antes mencionada responsabilidade política do corpo-língua e aprofundadamente agora poética: uma construção pretende embaralhamento dos signos e os desejos do ritmo. um ritmo-buceta que são 8 mil interminações compreende um ritmo-esquizo que não é previsto pelo costume do durante-hábito. tal organização tampouco se resolve randômica, há uma atenção ao intento do que quer ser permanecido – o afinamento é possível também entre os milhares de corpos de um corpo-buceta.

quando isto ocorre, a potência-conversa reconfigura as prisões do discurso e um corpo-buceta além de uso toma formas. estas formas podem ser vistas por todos os corpos mencionados no manual acima com o auxílio de um delírio-pupila – que começa no corpo-buceta, que não começa – e pode começar no braço. um delírio-pupila é pensamento agindo. há possibilidade de colocar todos esses corpos em delírio ao invés de recortá-los em contáveis corpos-dildos.

 

*fotografia júnior lopes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Fotografia Júnior Lopes/ Júlia Vita