ignor!ançai

Tudo que sei é só bastante sobre mim
que marco página de livro com lista de compra
de outras pessoas porque
eu não faço lista
E costumo ir ao mercado sem muita pressa porque gosto de bater papo
sobre a moleza
da cebola
Ou da vizinha que nunca arruma um emprego que preste
atenção à rama de sálvia que mobilizou os senhorinhos que não sabiam dar seu nome e erraram em manjericão
Eu acho muita graça e perco tempo
chego em casa o almoço já até perdeu o momento
também já passou da hora de usar aquela erva pra fazer arroz porque a confundida eu uso bem

Livramento

Vi de perto hoje ser tempo de peixe
Como de praxe
pisei areia na renda do dia
que o mar junto se arrendava

Um menino brincante onde o bigode o anzol poria
não arredou meio pé
Sob meus olhos laranjava a infância encorajada

O horizonte saturava água alta
cor límpido chumbo
Entrava perfeito aquele livro azulzinho
na paleta colorida amarelada até rosar

Apontando meu objeto às direções que o olho via
Até notei que servia a canga também
Todavia
dela já me enjoara
e a saia cor caneta a cintura me apertava

Continuei livrar a cena
Livrei dez barquinhos de sua possível simetria
Livrei também a linha da vara na beira
Livrei dos pescadores a caça
quando não pescaram o que eu fazia

 

10.16

janela

tem momentos que eu quero coisas incomuns por exemplo seria melhor se eu parasse de viver tantas experiências pois seria ótimo evitar os instantes de eterno saudosismo que me acometem de repente como hoje no ônibus voltando um domingo normal com fome de almoço lendo um livro muito europeu pro meu gosto que se agradava bastante com o azul da capa sem letra tão bonito que me fazia interessante por segurá-lo e então de repente bateu meu olhar foi subindo devagarinho ignorando a paisagem dos postes centrais e que saudade daquela roda de samba no início da noite que maravilhosa ela mas a verdade é que no dia mesmo eu pensei que pena vim tão longe e hoje parece que a noite não rende eu me achei tão sóbria e tinha muitas filmadoras e microfones intimidadores eu pensei que saco não respeitam né eu olhava ao redor acho que o moço não vem hoje que pena daqui a uns dias eu vou embora e ele não vem hoje eu queria uma cerveja e antibióticos são péssimos mas eu sei que álcool também mas eu queria poder e nossa a moça de ontem apareceu tão linda ela e eu tão sóbria com a garganta latejando no sereno. parece assim que vem um recalque ou algo como só dá valor depois que perde eu não sei se é isso ou se eu digiro o momento um tempo depois de vivê-lo e percebo melhor que ele foi bom ou depois de uns meses o que resta é justo o que agradou eu não sei mas é mesmo bom guardar as recordações positivas mas é hipócrita pois no presente eu costumo ser bem chata por exemplo eu tenho certeza eu tenho certeza absoluta que da próxima vez que eu me enfiar em outra cidade eu vou estalar e meus olhos subirão estúpidos quando eu estiver tendo um encontro forçado e chato onde eu estaria enjoada das mesmas frases e eu falarei que saudade daquele domingo quando eu voltava pra casa meus olhos levantaram poeticamente e me transportaram pra um lugar que vivi como se meu corpo fosse capaz de viajar no tempo e reviver tudo que saudade eu lia um livro que o moço muito gentil me deu de presente que bonito ele não se fazem moços gentis hoje em dia na minha vida mais bons tempos. é isso acho que invejo a grama do vizinho sendo o vizinho eu mesma em outras situações que já passaram isso não faz o menor sentido e nem as lembranças que faço questão de serem as mais agradáveis são suficientes já que caio naquele anterior mencionado saudosismo imbecil e penso porra eu podia estar fazendo tanta coisa estou aqui nesse ônibus com fome porque não tomei café o bastante de novo vou perder a manhã de domingo e hoje nem o sol eu peguei fechou o tempo todo no segundo cochilo eu não devia ter dormido vou mandar uma mensagem pra ela dizendo que sinto saudades e quero voltar. eu sabia também que eu estaria puta da vida porque não me recordaria das frases que escrevi na cabeça dentro do ônibus e obviamente eu as acho bem melhores do que estas de agora eu sabia que eu ia esquecer tudo eu cheguei em casa e fiz por onde tinha visita depois sai depois voltei eu perdi o sentido que faria eu estou sim puta mas que seja também provavelmente eu vou gostar muito destas quando eu tiver uns trinta anos e estiver sofrendo por escrever coisas ruins.